WHAT'S NEW?
Loading...

Eu não sou fã da CW. Admito que tenho pré conceito com a emissora, mas, quando, quase por acidente, me deparei com Crazy ex-Girlfriend, minha opinião começou a mudar. Eu sei, o nome não é dos melhores, mas quando chegarmos ao final do texto, falamos sobre esse “crazy”.

Rebecca Bunch é uma mulher independente, bonita, inteligente, super advogada, prestes a ser promovida em uma empresa que toma todo seu tempo, viciada em anti depressivos e...infeliz. Um dia, Rebecca deu de cara com um outdoor, publicidade de margarina, que dizia “Qual a última vez que você foi feliz?”



O outdoor colorido entra em contraste com a vida cinza e apagada da protagonista. Ao mesmo tempo, Bunch reencontra seu ex-namorado da época do acampamento de teatro, Josh. Josh está feliz e se mudando para West Covina, do outro lado do país. Rebecca decide que também se mudará, afinal West Covina deve ser um ótimo lugar, ela precisa de uma mudança e Josh estará lá. Ela diz a todo tempo, para si mesma, que não se mudou por causa do Josh, inclusive na primeira música da série. Sim, a série é uma comédia musical.

.


Ok, falamos sobre o que trata a história, mas o que ela tem a ver com os males da sociedade?

Comecemos pelo básico: se você desse de cara com um outdoor perguntando sobre a última vez que você foi feliz, o que você responderia?

Com toda a cobrança da sociedade sobre o que devemos vestir, fazer, pensar, sobre a carreira que devemos ter...estudar, trabalhar, ser promovido, ter uma casa, um carro, conhecer o mundo, criar uma família...quantas vezes você já teve vontade de simplesmente largar tudo, mudar de cidade, de emprego, de contatos, de tudo? Você está realmente feliz com o que tem?

Josh foi o pontapé inicial para Rebecca se mudar, mas por trás de tudo, ela realmente precisava de uma mudança e, ao estar em West Covina, ela para de tomar seus medicamentos, sua vida ganha cor, ela tem tempo de perseguir o que quer.

Com tudo isso, nós já vemos algumas pequenas críticas, mas Crazy ex-Girlfriend vai um pouco além.

Essa cobrança de que a mulher tem que estar sempre linda – especialmente quando vai encontrar um cara – é exposta com a música “The Sexy Getting Ready Song”, onde, no meio da canção, entra um rapper reconhecendo todo o esforço das mulheres e, ao final, ele via ligando para cada uma das suas dançarinas, para pedir desculpas pelos insultos.

Rebecca, em West Covina, conhece sua nova melhor amiga Paula, que tem grandes
músicas estilo Broadway, conhece Darryl, seu chefe que se descobre bissexual, conhece Greg, que acaba protagonizando um triangulo amoroso e conhece Valencia, namorada de Josh. Todos esses personagens – e a vizinha Heather – são responsáveis por deixar Rebecca mais parecida com West Covina, mais sincera com o que ela pode sentir e menos paranóica com o mundo.

Mais do que falar sobre a busca pela felicidade, autoconhecimento e feminismo, Crazy ex-Girlfriend fala da loucura...Não somente a loucura da Rebecca, mas essa que está impregnada em todos nós por vivermos essa rotina que nos foi imposta.

Será que a Crazy ex-Girlfriend é realmente louca? Por que tratamos como loucos quem decide seguir seus sonhos?

Talvez a série seja o insight que precisamos para que possamos deixar de nos considerarmos loucos por seguirmos o que queremos.

PS¹: Eu gosto muito de um diálogo de Orange is the new Black em que a Alex diz que cada um tem a sua visão do que é que ser bom ou mau. Em Crazy ex- Girlfriend, isso gerou a música “I’m the villain in my own story”:

 

PS²: Você pode ouvir a trilha Sonora comentada na do Spotify.

Já assistiu à nova série do Netflix, Stranger Things? Então ouça nosso podcast e saiba porque estão falando que essa pode ser a melhor série de 2016.

Faça o Download Aqui
Clique com o Botão direito do Mouse e depois clique em "Salvar Link Como"


Inscreva-se nos nossos Feeds!
Feed do iTunes
Feed RSS
Nos Avalie no iTunes AQUI

Redes Sociais

Saiba quais filmes estrearão em julho e agosto nos cinemas e que valem a pena você assistir!

Nesse podcast, Filipe Moya, Gabriel Rohrbacher e Ingrid Koga fizeram, cada um, uma lista com os 5 títulos que estrearão em julho e agosto nas telonas e que eles mais têm expectativas.

Confira as listas e ouça o podcast para saber nossa opinião!

Filipe Moya
1 - Jason Bourne
2 - Dois Caras Legais
3 - Conexão Escobar
4 - Negócio das Arábias
5 - Esquadrão Suicida

Gabriel Rohrbacher
1 - Esquadrão Suicida
2 - O Bom Gigante Amigo
3 - A Era do Gelo
4 - O Sono da Morte
5 - Tarzan

Ingrid Koga
1 - Procurando Dory
2 - Esquadrão Suicida
3 - Janis: Little Girl Blue
4 - Julieta
5 - Negócio das Arábias

Faça o Download Aqui
Clique com o Botão direito do Mouse e depois clique em "Salvar Link Como"


Inscreva-se nos nossos Feeds!
Feed do iTunes
Feed RSS
Nos Avalie no iTunes AQUI

Redes Sociais

Gilmore Girls está em alta. A série que estreou há quase 16 anos (sim, Gilmore Girls começou a passar na telinha em 05/10/2000) terá um revival da Netflix (ainda sem data confirmada, mas será em 2016) e hoje, 01/07/16, todas as temporadas da produção foram liberadas na plataforma de streaming.

“Ah beleza...mas o que Gilmore Girls tem de tão especial?”. Para responder a essa pergunta, listei alguns motivos para você, que sente vontade de ver a série ou só está procurando um novo show ou achou legal que Lauren Graham faz parte do elenco ou...qualquer outro motivo, veja tudo.

Mas, antes, é essencial que você leia acompanhado dessa música, tema da série e que está tocando no fone da pessoa que vos escreve há algum tempo.

Relação das Gilmore

Mais do que mãe e filha, Lorelai e Rory são amigas, confidentes, uma é o alicerce da outra.
Lorelai teve Rory com 16 anos e saiu de casa para criar sua filha sozinha na – maravilhosa – cidade de Stars Hollow. O que percebemos é que ao mesmo tempo em que Rory cresce, Lorelai cresce junto. Isso fica maravilhoso especialmente quando é acompanhado por incríveis conversas no café do Luke ou com pizzas e filmes. A matriarca das Gilmore, Emily, também ama demasiadamente a sua família, porém tem seu jeito mais controlador e se desenvolve de forma brilhante nos 7 anos da série. Os diálogos são muito bons, os jantares são esplêndidos e, principalmente, o discurso de Rory na graduação do ensino médio é uma das melhores partes da série.

Referências

A trilha sonora é maravilhosa. A música tema da série é Where you Lead, de Carole King e, acredite, você vai passar muito tempo cantando. Além disso, temos referências a bandas antigas, como Joy Division, assim como bandas novas (na época), como Avril Lavigne. Rola muito Louis Armstrong, Frank Sinatra, PJ Harvey...também passam muitos livros (Rory lê, ao longo de 7 temporadas, mais de 300 livros). Aaaah rola também uma citação à Xuxa. Olha só:

Hey, o que aconteceu com a Xuxa?

Apenas para informação: Xuxa teve um programa no “Family Channel”, na década de 90.
Aaaah também vale lembrar que elas veem filmes, muitos filmes, muitos muitos muitos filmes...e as noites de cinema são, no mínimo, maravilhosas.

Feminismo

É uma série feminista, sem citar o feminismo. É uma série de mulheres fortes, grande parte do elenco é formado por personagens femininas e todas estão muito engajados no Girl Power. Isso não é jogado de forma descarada, é colocado nos detalhes, nos diálogos, em frases como “não seja uma daquelas mulheres que culpa a esposa porque o marido trai”. É empoderamento quando Rory declina de uma vida anos 40, de um “nice guy” para seguir seus sonhos. 

Stars Hollow

Não tem como assistir à Gilmore Girls e não se apaixonar por Stars Hollow. É a típica cidade do interior onde tem eventos que envolvem todos os cidadãos, todo mundo se ajuda, todo mundo sabe o que acontece com todo mundo...a cidade tem seu próprio trovador (sim, trovador...aquele das aulas de literatura do ensino médio). Stars Hollow é aconchegante, é como se nós recebêssemos uma festa de boas vindas todos os dias.

Se tudo isso não te fez ter vontade de ver Gilmore Girls, pense no elenco. O elenco é tão sincronizado, harmonioso, tão bem escolhido, que dá inveja em algumas séries. Pense em ver Sam (de Supernatural) como Dean, pense que você conhecerá figuras maravilhosas, inquietantes e que te farão rir por muito tempo, pense que Jenji Kohan (showrunner de Orange is the New Black) esteve na produção de Gilmore e, também, pense no grande conselho de Paris Geller:

“Eu quero viver a minha vida de uma forma que eu possa ler a minha biografia, daqui a muitos anos, e não sentir vontade de vomitar”.

Está no ar nosso 11º podcast do ano sobre Game of Thrones! Falamos sobre o décimo episódio da sexta temporada e da temporada como um todo.

Deixe seus comentários no site e participe!

Faça o Download Aqui
Clique com o Botão direito do Mouse e depois clique em "Salvar Link Como"


Inscreva-se nos nossos Feeds!
Feed do iTunes
Feed RSS
Nos Avalie no iTunes AQUI

Redes Sociais

No ar mais um podcast do Seriáticos! Dessa vez falando sobre a grandiosa e espetacular Batalha dos Bastardos!

Deixe seus comentários no site e participe!

Faça o Download Aqui
Clique com o Botão direito do Mouse e depois clique em "Salvar Link Como"


Inscreva-se nos nossos Feeds!
Feed do iTunes
Feed RSS
Nos Avalie no iTunes AQUI

Redes Sociais

Preparado para a quarta temporada de Orange is The New Black? Então ouça nosso podcast e aproveite para relembrar o que aconteceu nas 3 Temporadas anteriores!

Faça o Download Aqui
Clique com o Botão direito do Mouse e depois clique em "Salvar Link Como"


Inscreva-se nos nossos Feeds!
Feed do iTunes
Feed RSS
Nos Avalie no iTunes AQUI

Redes Sociais

Mais um podcast sobre Game of Thrones, dessa vez falando sobre o episódio S06E08: No One!

Deixe seus comentários no site e participe!

Faça o Download Aqui
Clique com o Botão direito do Mouse e depois clique em "Salvar Link Como"


Inscreva-se nos nossos Feeds!
Feed do iTunes
Feed RSS
Nos Avalie no iTunes AQUI

Redes Sociais