>

Seriáticos Vlog #6!

Assista ao vlog com o review da segunda temporada de Game of Thrones!

>

Entrevista exclusiva!

O Seriáticos entrevistou José Roberto Torero, roteirista da nova série de(fdp) a nova série da HBO

Novo promo de Supernatural!

Assista ao primeiro promo da oitava temporada de Supernatural!

>

10 séries mais vistas da última Fall Season

Descubra quais são as 10 séries mais vistas no momento!

>

Efeitos especiais em cenas que você nem imagina!

Descubra como e onde é usado o Chroma Key!

True Blood: Series Finale (Thank You)


“...e então viveram felizes para sempre”, a frase que se encaixa para esse final de True Blood, menos para Bill, que, depois de 7 temporadas apaixonado por Sookie, onde matou vampiros, transformou Jess, ajudou a lutar contra bruxas, políticos e malucos, virou o deus dos vampiros, morreu.

Pronto, o fato mais importante de Thank you.

Assisti à essa temporada, sem pensar que era a última, sem pensar que não teremos um próximo ano e que não esperarei um episódio a cada semana e não me arrependo de ver assim. Foi até melhor, assim não fui sentindo que True Blood deveria me dar mais, bem mais que New Blood.

Tivemos um pouco mais que isso em Thank you, começando pelo casamento de Jess. Desde que Hoyt foi embora, não esperávamos que ele voltasse e terminasse a série com Jessica, mas isso aconteceu. E, claro, desde que ele voltou, isso não foi uma grande surpresa, até porque devido ao “gostar” de Jason por Brigette, já estava um pouco óbvio o final dos dois casais.

Eric decidiu se rebelar contra a Yasuka e, com Pam – claro – matou os importantes da organização (começando por Gus e os capangas) e tomou conta do sangue sintetizado de Sarah Newlin, que virou quase uma escrava sexual de sangue. Não tinha como Sarah Newlin sair ilesa dessa história.

Na verdade, True Blood com esse final só enfatizou aquele velho conhecido ditado de que “o bem vence o mal, o amor vence a guerra” e blablabla. De certa forma, foi o final manjado bem elaborado, para que pensemos que nem tudo aconteceu como o final de uma novela global (casamento, filhos, todo mundo feliz). E, então pensamos que Eric, por exemplo, não é tão bom e se deu bem, mas, se tomarmos pelo contexto, ele era o mocinho da história (estava doente, moribundo, foi atrás de Sarah Newlin, que todo mundo odiava porque acabou com a vida do elenco inteiro, matou o líder da Yasuka, que queria matar Sookie).

A única coisa, realmente, surpreendente foi a morte de Bill Compton. Mesmo depois de Bill ter dito que escolhia a morte verdadeira, cheguei a duvidar que o matassem, acreditei que, na hora de morrer, ele desistiria, mas não, ele morreu. E morreu com uma estaca no coração, colocada por Sookie (e por ele).
Impossível falar que True Blood não foi uma boa série, porque ela foi. Teve altos e baixos e aquela cena a la abertura de Parenthood foi um dos baixos, mas conseguiu se manter por 7 anos. O último ano não foi bom, não fez jus ao que esperávamos e o final foi à margem do decepcionante.

O casamento de Jess, apesar de não ser surpresa, foi um ato maravilhoso, porque não era por ela, não era por Hoyt, era por Bill e sua filha Sarah (e nunca fui fã do Bill).

A última temporada nos mostrou um pouco mais do que conhecemos de cada personagem: o passado de Bill, de Eric, Pam, Sookie, Tara, e nos deixou conectados à série. True Blood pode não ter tido o final que mais merecia, mas a série nos deixou passando por vários momentos, das piadas e ironias de Pamela às cenas de tristeza e melancolia de Sookie, da escuridão vampírica à luz das fadas. Foram momentos que, querendo ou não, encontraram fãs de para a série.

E que, agora, finalmente, Bill consiga descansar em paz, ao lado de Caroline, Sarah e Thomas. Que Sookie tenha o universo que merece (que Bill desejou). Que Jason continue crescendo, como cresceu ao decorrer de todas as temporadas.

Thank you, thank you True Blood.

Thank you por esses 7 anos, pelas noites de domingo e pelas histórias. Thank you por ter sido, em suas primeiras temporadas, uma grande série.

Thank you.

Vencedores Emmy 2014


Ontem (25/08/14), ocorreu o Emmy Awards, que premia os melhores da TV norte americana. Entre os ganhadores, destacam-se – merecidamente – Breaking Bad (que terminou em 2013, deixando um vazio enorme na grade da TV) e Sherlock. The Good Wife, apesar de não ter recebido muitos prêmios, declarou – justamente – Julianna Margulies. E, ainda, tivemos a novata True Detective, série da HBO que eleva a TV a um novo patamar.

Veja os vencedores (em negrito e vermelho):

Melhor série dramática:
Breaking Bad
Downton Abbey
House of Cards
Game of Thrones
True Detective
Mad Men

Melhor direção em série dramática:
David Evans, por Episode 1 (Downton Abbey)
Vince Gilligan, por Felina (Breaking Bad)
Cary Joji Fukunaga, por Who Goes There (True Detective)
Carl Franklin, por Chapter 14 (House of Cards)
Tim Van Patten, por Farewell Daddy Blues (Boardwalk Empire)
Neil Marshall, por The Watchers on the Wall (Game of Thrones)

Melhor roteiro em série dramática:
Nic Pizzolatto, por The Secret Fate of all of Life (True Detective)
Beau Willimon, por Chapter 14 (House of Cards)
David Benioff e D.B. Weiss, por The Children (Game of Thrones)
Vince Gilligan, por Felina (Breaking Bad)
Moira Walley-Beckett, por Ozymandias (Breaking Bad)

Melhor ator em série dramática:
Kevin Spacey (House of Cards)
Woody Harrelson (True Detective)
Matthew McConaughey (True Detective)
Jeff Daniels (The Newsroom)
Bryan Cranston (Breaking Bad)
Jon Hamm (Mad Men)

Melhor ator coadjuvante em série dramática:
Jon Voight (Ray Donovan)
Peter Dinklage (Game of Thrones)
Jim Carter (Downton Abbey)
Mandy Patinkin (Homeland)
Josh Charles (The Good Wife)
Aaron Paul (Breaking Bad)

Melhor ator convidado em série dramática:
Dylan Baker (The Good Wife)
Joe Morton (Scandal)
Beau Bridges (Masters of Sex)
Robert Morse (Mad Men)
Reg E. Cathey (House of Cards)
Paul Giamatti (Downton Abbey)

Melhor atriz em série dramática:
Kerry Washington (Scandal)
Robin Wright (House of Cards)
Michelle Dockery (Downton Abbey)
Claire Danes (Homeland)
Lizzy Caplan (Masters of Sex)
Julianna Margulies (The Good Wife)

Melhor atriz coadjuvante em série dramática:
Christina Hendricks (Mad Men)
Joanne Froggatt (Downton Abbey)
Maggie Smith (Downton Abbey)
Anna Gunn (Breaking Bad)
Lena Headey (Game of Thrones)
Christine Baranski (The Good Wife)

Melhor atriz convidada em série dramática:
Jane Fonda (The Newsroom)
Kate Burton (Scandal)
Allison Janney (Masters of Sex)
Kate Mara (House of Cards)
Margo Martindale (The Americans)
Diana Rigg (Game of Thrones)


Melhor série de comédia:
Modern Family
The Big Bang Theory
Louie
Orange is the New Black
Veep
Silicon Valley

Melhor direção em série de comédia:
Mike Judge por Minimum Viable Product  (Silicon Valley)
Jodie Foster, por Lesbian Request Denied (Orange is the New Black)
Gail Mancuso, por Vegas (Modern Family)
Louis C.K., por Elevator, Part 6 (Louie)
Paris Barclay, por 100 (Glee)
Iain B. MacDonald, por Episode 309 (Episodes)

Melhor roteiro em série de comédia:
Louis C.K., por So Did the Fat Lady (Louie)
Liz Friedman e Jenji Kohan , por I Wasn’t Ready for This (Orange is the New Black)
Alec Berg, por Optimal Tip- to-Tip Efficiency (Silicon Valley)
Simon Blackwell, Tony Roche e Armando Iannucci, por Special Relationship (Veep)
David Crane e Jeffrey Klarik, por Episode 305 (Episodes)

Melhor ator em série de comédia:
Louis C.K. (Louie)
Matt LeBlanc (Episodes)
Ricky Gervais (Derek)
Jim Parsons (The Big Bang Theory)
William H. Macy (Shameless)
Don Cheadle (House of Lies)

Melhor ator coadjuvante em série de comédia:
Andre Braugher (Brooklyn Nine-Nine)
Adam Driver (Girls)
Jesse Tyler Ferguson (Modern Family)
Ty Burrell (Modern Family)
Fred Armisen (Portlandia)
Tony Hale (Veep)

Melhor ator convidado em série de comédia:
Jimmy Fallon (Saturday Night Live)
Louis C.K. (Saturday Night Live)
Steve Buscemi (Portlandia)
Bob Newhart (The Big Bang Theory)
Gary Cole (Veep)
Nathan Lane (Modern Family)

Melhor atriz em série de comédia:
Lena Dunham (Girls)
Melissa McCarthy (Mike & Molly)
Amy Poehler (Parks and Recreation)
Taylor Schilling (Orange is the New Black)
Julia Louis-Dreyfus (Veep)
Edie Falco (Nurse Jackie)

Melhor atriz coadjuvante em série de comédia:
Julie Bowen (Modern Family)
Kate Mulgrew (Orange is the New Black)
Mayim Bialik (The Big Bang Theory)
Kate McKinnon (Saturday Night Live)
Anna Chlumsky (Veep)
Allison Janney (Mom)

Melhor atriz convidada em série de comédia:
Uzo Aduba (Orange is the New Black)
Natasha Lyonne (Orange is the New Black)
Laverne Cox (Orange is the New Black)
Tina Fey (Saturday Night Live)
Melissa McCarthy (Saturday Night Live)
Joan Cusack (Shameless)

Melhor minissérie:
American Horror Story: Coven
Fargo
Bonnie & Clyde
Luther
Treme
The White Queen

Melhor filme para TV:
The Normal Heart
Killing Kennedy
Muhammad Ali’s Greatest Fight
Sherlock
The Trip to Bountiful

Melhor direção em minissérie ou filme para TV:
Colin Bucksey (Fargo)
Adam Bernstein (Fargo)
Stephen Frears (Muhammad Ali’s Greatest Fight)
Ryan Murphy (The Normal Heart)
Alfonso Gomez-Rejon (American Horro Story:Coven)
Nick Hurran (Sherlock)

Melhor roteiro em minissérie ou filme para TV:
Ryan Murphy e Brad Falchuk (American Horror Story:Coven)
Noah Hawley (Fargo)
Neil Cross (Luther)
Steven Moffat (Sherlock)
Larry Kramer (The Normal Heart)
David Simon e Eric Overmyer (Treme)

Melhor ator em minissérie ou filme para TV:
Billy Bob Thornton (Fargo)
Martin Freeman (Fargo)
Mark Ruffalo (The Normal Heart)
Idris Elba (Luther)
Chiwetel Ejioford (Dancing on the Edge)
Benedict Cumberbatch (Sherlock)

Melhor ator coadjuvante em minissérie ou filme para TV:
Matt Bomer (The Normal Heart)
Jim Parson (The Normal Heart)
Alfred Molina (The Normal Heart)
Joe Mantello (The Normal Heart)
Martin Freeman (Sherlock)
Colin Hanks (Fargo)

Melhor atriz em minissérie ou filme para TV:
Kristen Wiig (The Spoils of Babylon)
Sarah Paulson (American Horror Story:Coven)
Jessica Lange (American Horror Story:Coven)
Minnie Driver (Return to Zero)
Cicely Tyson (The Trip to Bountiful)
Helena Bonham Carter (Burton & Taylor)


Melhor atriz coadjuvante em minissérie ou filme para TV:
Julia Roberts (The Normal Heart)
Allison Tolman (Fargo)
Ellen Burstyn (Flowers in the Attic)
Frances Conroy (American Horror Story:Coven)
Angela Basset (American Horror Story:Coven)
Kathy Bates (American Horror Story:Coven)

Melhor reality show ou programa de competição:
The Voice
So You Think You Can Dance?
Dancing with the Stars
Project Runway
The Amazing Race
Top Chef

Melhor apresentador de reality show:
Jane Lynch (Hollywood Game Night)
Anthony Bourdain (The Taste)
Heidi Klum e Tim Gunn (Project Runway)
Tom Bergeron (Dancing with the Stars)
Betty White (Betty White’s Off Their Rockers)
Cat Deely (So You Think You Can Dance?)

Melhor programa de variedades:
Saturday Night Live
Real Time with Bill Maher
The Colbert Report
Jimmy Kimmel Live!
The Daily Show with John Stewart
The Tonight Show starring Jimmy Fallon

Melhor animação:
Bob’s Burgers
South Park
Futurama
Archer
Teenage Mutant  Ninja Turtles: The Manhattan Project











Review – True Blood 7x08/7x09: Almost Home / Love is to Die


Usamos essa sétima temporada para aprendermos um pouco mais de nossos personagens e nem Tara, que já morreu, conseguiu escapar dessa, fazendo com que conhecêssemos uma das partes mais “obscuras” da sua infância, quando, por alguns segundos, ela pensou em matar seu pai, que batia em  Lettie Mae  e bom...depois dessa, já temos razão suficiente para sabermos porque ela o queria morto.

Sabíamos que Sam não ficaria em Bon Temps, mas esperava uma despedida mais justa, mais justa até mesmo por Sookie e não, apenas, por uma carta. Pode ser que o personagem volte em um ou outro episódio até o final da temporada, mas como ainda não sabemos se isso acontecerá, lidamos com um “boa sorte, Sam”.

Ao longo das temporadas, vimos Jess e Hoyt começarem o relacionamento, desenvolverem, morarem juntos, até Jason...Jess e Jason, uma coisa meio conturbada, que não teve fim nenhum, Jess e James, James e Lafayette, Jesse e Jason e, agora, temos, novamente, Jesse e Hoyt. De certa forma, corajoso da parte dela contar para Hoyt tudo o que aconteceu entre eles e Jason.

O problema de Jason é Hoyt, ele não pode conhecer nenhuma namorada do amigo, porque se apaixona – ou algo parecido. Diga-se Brigitte, que, ainda, não teve nada com ele, mas, até quando?


E logo pulamos para Bill e o fato dele recusar a cura encontrada em Sarah Newlin, liberou Jessica (a pedido da ruiva) e conseguiu comover, até mesmo, Eric, que deu uma de “guru do amor” e intermediou por Bill. A melhor cena veio com Pam, Jess e a frase “se você manchar a minha jaqueta, você vai pagar, querida”, no meio da choradeira toda.

E, já que jogamos Eric e Pam no meio de tudo, vale lembrar que Eric,agora, está curado, curadíssimo, imune à hepative V e, até mesmo, resolveu retribuir à Ginger. Pena que minutos depois, ele estava encarando a Yasuka e Pam deitada e uma espécie de mesa, acorrentada com prata e quase pronta para morrer com uma estava. Ainda, não vimos a morte de Pam e matá-la seria um dos piores erros dos roteiristas, então tenho certeza (espero) que isso não aconteça.

O décimo episódio desta temporada será o adeus definitivo à True Blood. Admito que quando começamos o sétimo ano, fiquei um pouco preocupada com o final que veríamos, mas, agora, acredito no potencial de um último episódio. 

Review – Pretty Little Liars 5x07 / 5x08: The Silence of E. Lamb / Scream For Me


Algumas perguntas foram acrescentadas, mas a principal continua: afinal, quem é –a?

Já ouvimos falar de Eddie Lamb há um tempo (até mesmo em outra temporada) e, agora, ele simplesmente sumiu, depois de deixar uma pista que, ainda, não parece ser nada importante.

Demos uma volta em Radley e conhecemos Rhonda, ex colega de quarto de Bethany. Aliás, Bethany foi quase uma DiLaurentis. Acredito eu que por meio de alguma chantagem, porque, claro, a mãe de Alison não iria, simplesmente, encontrar uma menina em um manicômio e decidir que a levaria para andar a cavalo, dar presentes e etc., etc., etc.. Spencer e logo conectou Bethany à mãe de Toby, que, ainda, tem a morte misteriosa.

Nos dois episódios, percebemos que as mães podem, às vezes, tomar a prioridade das filhas, como foi o caso de Pam e seu jantar, Ashley e o ataque a sua casa – que logo será discutido – e Ella com seu casamento.

Tivemos algumas voltas à Paige e sua situação de rato morto no armário, o que meio que nos deixou em círculos. No 6º episódio, vimos que a, agora, famosa Sydney, que , também, está no grupo Mona e em the silence of E. Lamb ela resolveu partir direto para o ataque, quando Hanna estava bêbada e louca para contar tudo o que aconteceu em NY...no fim, Hanna não segurou a língua muito bem e, apesar de não sabermos, exatamente, o que ela falou (só vimos o final da conversa) foi a chave para –A colocar uma menina contra a outra.


E, ainda em Hanna, entramos com a garota em  um ciclo de álcool, beirando o vício, o que resultou em assédio vindo de Zach, aquele que está noivo de Ella Montgomery.

Mas, explicando, todo a história: depois de Hanna, sem querer, acabar contando o que podia e não podia sobre as aventuras das liars, Aria decidiu que não falaria mais com ela (claro, porque isso resolve todos os problemas...simples). E assim Hanna, ao contar para a amiga, sobre o assédio de Zach, foi, literalmente, enxotada da casa Montgomery.

O fato é que demos voltas e voltas e não descobrimos nada. A relação entre DiLaurentis e Bethany já era previsível, a briga entre as meninas já estava previsto (Hanna já vem mostrando que não está tão feliz assim com a volta de Alison, há um bom tempo). Parece que, em todos os episódios, nós respondemos as mesmas perguntas e continuamos com outras, mas, na verdade, só acrescentamos, porque nada é respondido. Pelo andar da caminhada, PLL, ainda, durará 246256685 anos.

Review – True Blood 7x07: May be the Last Time


Essa coisa de Jason gostar das namoradas do Hoyt já está ficando chata. A primeira vez que Hoyt se deu bem de verdade foi com Jess e Jason estragou isso...agora temos Brigette e Jason já está querendo dar um passo a mais. Desnecessário.

Saímos dos flashbacks de Pam e Eric para ficarmos, somente, nas histórias de Bill e, dessa vez, vimos o casamento e o nascimento da mini Compton.

Tivemos a aparição de Niall que foi chamado para ajudar Bill e não ajudou em nada, não fez nada. Simplesmente disse que milagres acontecem o tempo todo, porque o nascimento é um milagre, o amor é um milagre e a morte é um milagre. Depois, Sookie pediu para ele ir embora e ele foi, sem mais nem menos.

A morte não parece tão milagrosa para Sarah / Noomi que começou a ter alucinações de sua morte que parece estar bem mais perto do que ela esperava. Em minutos, revemos a história de Sarah com Jason, Newlin, Burrell, o budista...todos anunciando a morte da garota. E, de quebra, ainda tivemos uma pequena discussão entre cristianismo e budismo no meio do nada.

Voltando para Bon Temps, temos Sookie e Bill mais uma vez, Arlene e o “novo” vampiro Keith e Adilyn e Wade na mansão de Violet.

Acho que, até agora, a melhor coisa – fora os flashbacks de Pam e Eric – foi colocar Sarah como a cura...é como se desse algo a mais na história, como se mudasse todo o rumo (como a corporação Yokonomo quer fazer) e acabássemos em um novo enredo, que sabemos que não terminará com aquele acordo entre Eric e os japoneses.

Conhecemos a melhor médica possível, a doutora Ludwig que, também, não durou muito tempo no episódio, já que só precisou ouvir o nome de Niall para desistir de ajudar Bill.

Acho que True Blood está conseguindo ir pelo caminho certo nessa temporada (depois daquela season premiere decepcionante). Acreditamos que podemos esperar um final, no mínimo, muito bom para a série.

Review – True Blood 7x06: Karma


“Maybe you deserve it...this little thing called karma...”.

Nos aproximamos, lentamente, do final: do final de Eric, de Bill, de Amber (irmã da Sarah Newlin). Não...essa quase.

Karma não rendeu tanto quanto poderia, mas a temporada está assim, desde o primeiro episódio.

Tivemos alguns pontos altos: a reação de Jessica ao saber que Bill está infectado pela Hepatite – V. A garota resolveu contar com Sookie, o que nos levou à descoberta de que a protagonista, também, está infectada  (parece que a intenção dos roteiristas é a de infectar todo o elenco, para fazermos uma aposta sobre quem chegará vivo ao final do 7º ano).

Além disso, surgiu a solução para a doença vampírica: Sarah Newlin. A vilã, na verdade, é a chave para pôr o fim nessa epidemia. Após toda a bagunça no centro de tratamento do falecido Burrell, Newlin deu um passo à frente e bebeu todo o antídoto, tornando-o a portadora humana da cura.

Se o antídoto foi criado uma vez, certamente, criarão de novo, afinal, segundo a própria Sarah, a corporação criou o remédio e, como bem vimos, os japoneses estão bem ativos, especialmente, quando o assunto é caçar Noomi (Sarah Newlin) por aí.

Sam que, nos episódios anteriores, parecia estar quase à frente da salvação de Bon Temps, em Karma ficou em terceiro plano, tendo pouquíssima importância, apareceu quase como uma citação, apenas, para ilustrar a loucura que a cidade está vivendo. Algo que, sequer, foi ele que fez, foi Nicole.

E Jason ficou no mesmo ritmo que o prefeito de Bon Temps, perdendo alguns bons momentos para ficar imerso em um triângulo amoroso e o consolo para Sookie e Jess.

Por fim, voltamos a Bill, que ao tentar mudar seu testamento e não conseguir, foi extorquido e matou a advogada e o escudeiro dela. Atitude exagerada de quem, há poucos meses, era o deus dos vampiros.

Entramos na viagem eterna de Lettie Mae e Laffayette. Tudo para passarmos por um momento com Tara (que, convenhamos, não nos agradava muito quando estava viva, apenas, acho errado que ela tenha morrido. Ainda mais, da maneira como morreu). E paramos em Violet e seu pensamento vingativo (falta de autocontrole).

Temos, ainda, alguns episódios e muitas histórias que precisam de um ponto final. A esperança é que isso aconteça e dê um final digno à série.

Review – Pretty Little Liars 5x05 / 5x06: Miss Me x 100 / Run, Ali, Run


Não é qualquer série que chega aos 100 episódios (não é impossível, mas uma série sobreviver por 100 episódios significa algumas coisas).

Mas, para pretty little liars, isso parece banalidade, afinal, um número que tantas séries comemoram, PLL passou quase despercebido. Talvez, eles achem que um episódio bem feito é colocar Aria e Ezra juntos, Emily e Alison juntas, Caleb de volta. Não, não é. Seria diferente se marcasse de alguma forma e não foi isso o que ocorreu.

Não vamos dizer que Miss me x 100 e Run, Ali, Run não tiveram nada, afinal tivemos algumas (poucas) descobertas, mas que valem ser citadas.

A grande super descoberta foi a de quem está no caixão que deveria ser de Alison. Agora, temos um nome: Bethany Young. No meio de todo o “quem deve ser essa garota?”, também, descobrimos que, de certa forma, ela tem uma ligação com a Sra. DiLaurentis (ou seria ex Sra. Dilaurentis?). Claro, sobre isso, ainda não sabemos muito, mas acredito que acabará se desenrolando sem muito mistério. Eddie, de Radley, estar ajudando pode ser considerada alguma novidade.

A parceria entre Mona, Lucas e Melissa não nos surpreende em nada. Quando Mona estava em seu clubinho a la “Os Batutinhas” já sabíamos da presença dos dois. Aliás, só conseguimos saber sobre eles e Paige, esta que se revoltou depois e resolveu virar as costas (não é à toa que ela recebeu um rato morto, de brinde, em seu armário).


Caleb voltar à Rosewood, também, não é uma grande surpresa. Ele não poderia desaparecer pra sempre. Parece que não, mas, até em pretty little liars, as histórias tem que ter um fim, um ponto final.

Temos de volta a detetive, que mal significa alguma coisa, já que 58525625864886 investigações são feitas e nada é descoberto. A polícia de Rosewood é extremamente incompetente.

É meio difícil saber quando um plot de pretty little liars acaba, pois sempre há uma forma de ressurgir. Jenna é um grande exemplo. Pra mim, ela tinha ido embora e bye,bye, mas ela voltou, fazendo par de vasos com a novata da natação (que eu não lembro o nome) para tentar acabar, de vez, com Alison.

Sem querer reclamar do roteiro inteiro, mas tem muito furo por aí. O fato é que, acredito, que todos já estejam se cansando de tantas voltas e, tenho certeza, de que já disse isso algumas vezes por aqui. A grande pergunta é: até quando vamos terminar episódios com uma pessoa encapuzada, fazendo alguma coisa que tenta nos prender ao próximo episódio? Está difícil acompanhar, mas continuarei tentando, pelo menos, até o final dessa temporada.

Review – True Blood 7x04 / 7x05: Death is not the End / Lost Cause


“Ginger, olhe para você e olhe para mim...quem tem bom gosto?”

Estávamos em um flashback de Pam e Eric e, em death is not the end, conhecemos o momento em que eles conheceram Ginger – que nos deu momentos de risadas – e a ideia que deu origem ao Fangtasia, o bar que, no fundo, todos gostaríamos de conhecer.

Acompanhamos, de camarote, a mini guerra entre os vampiros infectados e os não infectados – e Eric no meio de tudo – e, nesse momento, tivemos certeza que, ainda, não sabemos quem é o grande vilão da temporada, se é que teremos um. Será que tudo voltará à Sarah Newlin? Aquela que já estava nos “assombrando” desde a Sociedade do Sol? Ou será que, dessa vez, o vilão será a máfia Yakuza?

Tudo em true blood lembra saudade. A ligação que Jason fez a Hoyt, a visão que Arlene teve de Terry, a conversa entre Pam e Eric, Sookie e Bill. Até entendo que a série esteja nos dizendo que essa é a hora de nos despedirmos. E é mesmo. Temos que nos despedir com calma, sem correria, como se estivéssemos apreciando cada  momento.

Admito que eu esperava muito mais da briga entre os vampiros. Achei uma coisa boba, meio banal, o jeito como foi mostrado, como se fosse uma briga de colégio entre menininhos brigando por uma garota. Alguns confrontos entre Eric e Bill, ao longo das temporadas, conseguiu prender mais a minha atenção.

Alcide está morto, todos aqueles que estavam contra os vampiros (bobagem que resultou na morte da mãe de Hoyt) estão mortos, o ex candidato a prefeito está morto, Tara está morta. Enfim, muita gente morreu em 5 episódios, true blood, nessa temporada, fez uma chacina muito cedo.


Quando entramos em Lost Cause, saímos um pouco do passado de Eric e Pam e entramos na história de Bill Compton. Já sabíamos, mais ou menos, a história dele, a transformação e etc., mas dessa vez, vimos como era a vida dele antes de tudo, antes mesmo de pensar em se alistar para ir à guerra. Tirando o fato de que Bill se transformou em um vampiro, não temos muitas mudanças nele...parece que Bill vai, sempre, ser o mesmo Bill.

Quanto à Jessica e Jason, estava muito óbvio sobre os dois. Jason não daria certo com Violet, assim como Jess não daria certo com James (desde que virou o vampiro de Larafyette, já tínhamos uma dúvida sobre a preferência de James).

E tudo termina em festa. Parece, de certa forma, uma falta de respeito com todos os mortos. Como Sookie bem disse, a morte é para ser triste, é para ser sentida. Aparentemente, os habitantes de Bon Temps não pensam dessa forma.

Enquanto Sookie e Cia faziam uma festa, Eric e Pam estavam atrás de Sarah Newlin e não foi tão difícil encontrá-la, depois que Willa disse que Sarah tem uma irmã vampira. Se não fosse pela raiva guardada de Eric, Sarah não sairia vivia de lost cause.

Bill está infectado. Muito arriscado colocar os dois principais vampiros doentes, correndo risco de morte. Será que uma cura para a hepatite V está sendo preparada para ser apresentada a Eric e Bill?